Ministério Público de Pernambuco
Ministério Público de Pernambuco
 

Destaques do MPPE

17/05/2019 - O Ministério Público de Pernambuco (MPPE) recomendou aos diretores do Fundo de Previdência dos Servidores de Salgueiro (Funpressal) a observância do Estatuto do Idoso, de modo a garantir atendimento respeitoso a todos os cidadãos.

O promotor de Justiça Michel de Almeida Campêlo explicou que o MPPE tomou conhecimento que um dos diretores da Funpressal vem atendendo o público de forma inadequada e desrespeitosa. Diante disso, o MPPE recomenda que os diretores devem respeitar o artigo 4º do Estatuto do Idoso, o qual afirma que “nenhum idoso será objeto de qualquer tipo de negligência, discriminação, violência, crueldade ou opressão, e todo atentado aos seus direitos, por ação ou omissão, será punido na forma da lei”.

O MPPE ainda lembrou que casos de desrespeito a idosos podem ensejar enquadramento no artigo 96 do Estatuto do Idoso, observando que “discriminar pessoa idosa, impedindo ou dificultando seu acesso a operações bancárias, aos meios de transporte, ao direito de contratar ou por qualquer outro meio ou instrumento necessário ao exercício da cidadania, por motivo de idade: Pena - reclusão de seis meses a um ano e multa”.

Por fim, os funcionários da Funpressal devem adotar o comportamento adequado de forma a servir da melhor maneira ao público.
 

17/05/2019 - O Ministério Público de Pernambuco (MPPE) recomendou ao prefeito de Carpina, Manoel Severino da Silva, que tome as providências necessárias para fiscalizar, no prazo de 30 dias, a ocupação irregular das calçadas, ruas e praças públicas do Centro da cidade por ambulantes e lojistas. A administração municipal deve notificar os comerciantes para que desocupem os espaços públicos em um prazo de dez dias.

A recomendação, expedida pelo promotor de Justiça Elson Ribeiro, visa coibir a ocupação das vias públicas da cidade. “A Promotoria recebeu reclamações sobre utilização irregular de calçadas na área central de Carpina e suas adjacências, sendo que os comerciantes estão utilizando as vias para exposição de seus produtos, bem como fazendo do espaço um local particular”, afirmou Elson.

O MPPE ainda recomendou que o prefeito informe a todos os comerciantes e ao presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) sobre a proibição da ocupação das vias públicas sem autorização expressa pelo poder público do município. Após as devidas notificações, todos aqueles que continuarem a descumprir a legislação deverão ser autuados e punidos com multa e apreensão dos bens.

“A omissão do poder público em fiscalizar o uso do espaço público e sua ordenação nos termos do Código de Polícia Administrativa acarreta a infringência aos princípios da administração pública, por consequência improbidade administrativa por parte do gesto”, observou o promotor de Justiça, no texto da recomendação.
 

17/05/2019 - A convite da Coordenadoria da Mulher do Município de Quipapá, na Zona da Mata Sul do Estado, o Ministério Público de Pernambuco (MPPE) participou, na última quarta-feira, (15), de um encontro com as mulheres da região para debater a Lei Maria da Penha e o empoderamento feminino.

Durante a reunião foram distribuídas cartilhas produzidas pelo MPPE em relação ao tema; ouvidos os depoimentos de mulheres que já presenciaram ou foram vítimas de algum tipo de violência familiar ou doméstica; esclarecidos alguns pontos a respeito do que diz a Lei Maria da Penha, bem como quais órgãos de ajuda podem ser procurados em casos de violência contra a mulher. Os presentes puderam, ainda, fazer perguntas e refletir sobre os casos reais apresentados.

“O Ministério Público fica bastante lisonjeado em contribuir com iniciativas como essa. Isso proporciona a nós, promotores de Justiça, estarmos cientes das demandas mais sensíveis do município, em especial esta, que trata sobre a violência contra a mulher que é muito grande ainda, principalmente no interior”, comenta a promotora de Justiça Ana Victória Schauffert.

Ainda de acordo com a promotora de Justiça, a coordenadoria da Mulher de Quipapá pretende realizar um novo encontro até o final deste ano. “Tenho interesse inclusive em ampliar essas atividades externas num futuro próximo, abrangendo outras áreas, como direito dos idosos, crianças e adolescentes e da educação”, explica.
 

17/05/2019 - Com o objetivo de trazer mais efetividade ao cumprimento da Resolução n.º 181, do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), o corregedor nacional do Ministério Público, Orlando Rochadel, circulou ofício solicitando esclarecimentos sobre a efetivação deste ato normativo, que implementa o acordo de não persecução penal. O ofício esclarece às unidades ministeriais que “a negativa de aplicabilidade geral e abstrata da faculdade de celebração de acordo de não persecução penal, implica em violação da competência e autoridade do CNMP, podendo demandar propositura de reclamação e/ou instauração de procedimentos disciplinares correlatos”.
 
Em Pernambuco o Colégio de Procuradores de Justiça(CPJ-PE) aprovou em 26 de abril de 2018 a Resolução RES-CPJ n.º 02/2018, que disciplina, no âmbito do Ministério Público do Estado de Pernambuco (MPPE), a instauração e tramitação do Procedimento Investigatório Criminal (PIC), tratado como acordo de não persecução penal.
 
Na recomendação conjunta o procurador-geral de Justiça de Pernambuco (PGJ-PE), Francisco Dirceu Barros, e o corregedor-geral do MPPE, recomendam “aos membros deste Ministério Público que, nas hipóteses de possibilidade, proponham ao investigado acordo de não persecução penal, a fim de dar maior efetividade ao disposto no Art. 18 da Resolução n.º 181, de 7 de agosto de 2017, alterada pela Resolução n.° 183, de 24 de janeiro de 2018 e que o respectivo acordo seja anotado no Sistema Arquimedes, por meio do movimento referente ao código n.º 920482 (Tabela de Taxonomia)”.
 
“O acordo de não persecução penal é uma  salutar medida processual que têm como principal objetivo proporcionar efetividade, elidir a capacidade de burocratização processual, proporcionar despenalização, celeridade na resposta estatal e satisfação da vítima pela reparação dos danos causados pelo acordante ou acusado. O Brasil está muito atrasado quando o tema é efetivação das lides processuais, nos Estados Unidos, por exemplo, cerca de 90% dos conflitos, inclusive na seara criminal, são resolvidos por acordos, situação que dar muita agilidade ao sistema judiciário americano”, disse Dirceu Barros.
 
“A Resolução n.º 181 é um ato normativo primário, tem força de Lei, e precisa ser cumprida, sob pena de ofensa ao princípio da legalidade. A Corregedoria local acompanhará de perto a efetividade local das Resoluções do CNMP e esse é o maior sentido da recomendação que emitimos em conjunto com o procurador-geral de Justiça”, disse o corregedor-geral do MPPE, Alexandre Bezerra.
 
“Não é possível revolucionar sem quebrar paradigmas, o processo penal consensual exige o abandono imediato de todos ritos e sacramentos que deixam o nosso processo o mais moroso do mundo e exigirá que os atuais operadores do direito parem de interpretar o direito como se estivessem na idade média”, asseverou Francisco Dirceu Barros.
 
DIREITO CONSENSUAL - Em agosto o MPPE irá promover o primeiro seminário nacional de direito consensual. “Queremos demonstrar de forma clara que o futuro do processo, seja cível ou criminal, passa, impreterivelmente, por uma nova forma de atuação: o consenso. Doutrinadores dos Estados Unidos, Espanha e Itália já foram convidados. O nosso MPPE assumirá mais um protagonismo e fomentará o debate de uma grande revolução no direito”, disse Dirceu Barros.
 
 

16/05/2019 - Com o objetivo de conhecer as melhores práticas de atendimento e acolhimento ao cidadão, a Ouvidoria-Geral do Ministério Público de Pernambuco (MPPE) vem realizando um benchmarking em outras unidades do MP brasileiro. Nesta semana, a equipe visitou a ouvidoria do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ).

“Pudemos conhecer toda a infraestrutura da Ouvidoria do MPRJ, sua unidade de acolhimento, que recebe o cidadão, fornecendo toda a atenção necessária para a coleta efetiva da manifestação, além de contar com uma estrutura semelhante a um call center”, disse a ouvidora do MPPE, Selma Magda Barreto.

Com essa estrutura, a Ouvidoria do MP carioca recebe cerca de 300 demandas por dia, que passam por um processo de triagem e qualificação da manifestação. “Com a estrutura disponível, cerca de 40 manifestações se transformam efetivamente em notícias de fato. Queremos que essas informações possam nos ajudar a transformar a Ouvidoria do MPPE”, reforçou ela.
 

Destaques Notícias


Veja todas as Notícias
Diário Oficial
Diário Oficial
Diário Oficial
Consulta de Licitações
publicidade consulta licitação
Consulta de Licitações
Consulta Processual
publicidade consulta processual
Consulta Processual
Publicidade Ouvidoria2
Publicidade Ouvidoria2
Publicidade Transparência SIC
Publicidade Transparência SIC
Portal SEI!
Portal SEI!
Ministério Público de Pernambuco
Ministério Público de Pernambuco