Ministério Público de Pernambuco
Ministério Público de Pernambuco
 

Destaques do MPPE

03/04/2020 - Em razão da suspensão das aulas e atividades escolares por causa da pandemia do Coronavírus, o Ministério Público de Pernambuco (MPPE) recomendou às Secretarias de Educação dos municípios de Quipapá, São Benedito do Sul, Lagoa de Itaenga, Brejão, Itamaracá e Alagoinha, que apresentem quais atividades extraescolares serão implementadas, com base na Resolução do Conselho Estadual de Educação nº 03/20, que orienta as instituições de ensino a planejarem tais atividades para o alunado no período de distanciamento social.

O Centro de Apoio Operacional às Promotorias de Defesa da Educação (Caop Educação) divulgou a resolução do Conselho entre os promotores de Justiça justamente para informar que devem existir atividades que ofereçam conteúdos programáticos de disciplinas, matérias e componentes curriculares fora da sede da instituição de ensino, de forma a integralizar a matriz curricular.

As atividades poderão ser realizadas por tecnologias não presenciais, em tempo real ou não e em regime de acompanhamento pedagógico especial.

O acompanhamento e a avaliação das atividades extraclasse caberá ao professor responsável pela ministração dos conteúdos. A avaliação ou verificação dos processos de ensino e aprendizagem serão mensurados no retorno do funcionamento das aulas presenciais.

Assim, as Secretarias de Educação devem esclarecer qual medida será adotada, se por meio de tecnologia não presencial ou por meio de acompanhamento pedagógico especial, segundo concepção própria, ou ainda, se serão adotadas as medidas cumulativamente (a oferta de ensino não presencial, mediada por tecnologia em tempo real ou não). Precisam ainda apresentar planejamento de reposição das aulas, quando do retorno das atividades escolares.

Outro ponto é que sejam tomadas as providências necessárias e suficientes para assegurar o cumprimento dos dispositivos da LDB, em termos de parâmetros organizativos das atividades escolares e execução de seus currículos e programas, em especial os artigos 24 (cumprimento dos 200 dias de efetivo trabalho escolar, bem como da carga horária mínima anual de 800 horas na Educação Básica) e 47 (cumprimento dos 200 dias de trabalho acadêmico efetivo na Educação Superior). E também que no exercício de sua autonomia e responsabilidade na condução dos respectivos projetos pedagógicos, respeitando-se os parâmetros legais estabelecidos, os estabelecimentos de ensino proponham formas de reposição de dias e horas de efetivo trabalho escolar, submetendo-as à aprovação do correspondente órgão normativo e de supervisão permanente do seu sistema de ensino.

A reorganização do calendário escolar deve ocorrer em todos os níveis, etapas e modalidades de ensino, sendo feita com a participação dos colegiados das instituições de ensino, notadamente, dos professores e da equipe pedagógica e administrativa do estabelecimento, bem como de alunos e seus familiares e demais setores envolvidos na organização das atividades escolares.

Precisa se assegurar o processo de reorganização dos calendários escolares que a reposição de aulas e atividades escolares que foram suspensas possam ser realizadas de forma a preservar o padrão de qualidade previsto no inciso IX do artigo 3º da LDB e inciso VII do art. 206 da Constituição Federal.

Com o restabelecimento do funcionamento das instituições de ensino, cessarão as atividades extraordinárias, retomando-se as atividades escolares normais.

As recomendações foram publicadas nos Diários Oficiais dos dias 31 de março (Quipapá, São Benedito do Sul e Lagoa de Itaenga), 1º de abril (Brejão), 2 de abril (Itamaracá) e 3 de abril (Alagoinha).

 

Imagem acessível: retângulo com fotografia de garoto de óculos olhando pra frente e segurando um lápis sobre um caderno tem sobrepostos os dizeres Atividades escolares para período de aulas suspensas. Acima, tarja vermelha com Quarentena. Acima, logomarca criada pelo MPPE para o tema Coronavírus

03/04/2020 - De forma preventiva, por causa do período chuvoso de 2020 que se aproxima, o Ministério Público de Pernambuco (MPPE) promoveu encontro de promotores de Justiça com as autoridades da Defesa Civil do Estado, com a finalidade de subsidiar a atuação ministerial no acompanhamento de políticas públicas voltadas para gestão de riscos e desastres, visando minimizar o somatório de situações agravantes diante da atual conjuntura de enfrentamento à pandemia do Coronavírus (Covid-19).

Diante da excepcionalidade das chuvas que vem atingindo o Sertão nesses últimos dias, o Centro de Apoio Operacional às Promotorias de Justiça de Defesa da Cidadania (Caop Cidadania) reeditou e publicou a Nota Técnica nº04/2020, que dispõe sobre a adoção de medidas preventivas de desastres no período das chuvas de inverno, nas regiões da Mata Sul, Mata Norte, Agreste, Sertão e Região Metropolitana, no Diário Oficial desta sexta-feira (03). A Nota Técnica do Caop Cidadania nº01/2020, sobre o mesmo tema, não incluía a região do Sertão.

A reunião, organizada pelo Caop Cidadania, ocorreu na modalidade videoconferência, por meio da ferramenta Google Meet, com o objetivo de vencer o desafio do isolamento social e ainda sim dá continuidade às ações do MPPE.

“Esse encontro pretendeu estabelecer um diálogo com as instituições que devem atuar preventivamente e pontualmente, com abertura de canais de comunicação para uma articulação delineada frente aos desafios. A informação é de que é iminente a chegada das chuvas e todos precisamos estar preparados para aplicar o plano de contingência, lidar com a adversidade, nessa atual conjuntura”, explicou a coordenadora do Caop Cidadania, promotora de Justiça Dalva Cabral.

Na ocasião, foram repassadas recomendações sobre as providências sanitárias que devem ser tomadas por abrigos de acolhimento às populações que venham precisar ser realocadas de áreas de risco em consonância com as normativas decretadas para contenção e prevenção do contágio do Covid-19. Foi informado também que existe um setor da Secretaria de Saúde preparado para atuar no caso de desastre.

Para a Defesa Civil, a atuação dos promotores de Justiça deve tomar por base a Política Nacional de Proteção e Defesa Civil (Lei Federal nº12.608/2012), que enumera as atribuições dos diversos entes públicos, com destaque para os municípios, que têm papel protagonista, uma vez que possuem a atribuição constitucional de planejamento e controle do solo urbano, conforme o artigo 4º. No âmbito do Estado de Pernambuco, há o Decreto Estadual nº 47.698/2019, que aprova o Manual Técnico de Defesa Civil para gestão de riscos e desastres relacionados a intensas precipitações pluviométricas.

Além das normativas, os representantes da Defesa Civil citaram também a atuação dos órgãos auxiliares, como o Serviço Geológico do Brasil, para a elaboração do zoneamento de risco (mapas de perigo); e a Agência Pernambucana de Águas e Clima (APAC), para a realização de estudos geológicos e hidrológicos. Foi atualizado aos promotores de Justiça, ainda, que o Ministério do Desenvolvimento Regional é o responsável pelo assunto no âmbito do Governo Federal.

Conforme pontuou o coronel Lamartine Barbosa, da Defesa Civil, cada município tem em sua estrutura administrativa a Coordenação de Proteção de Defesa Civil, no entanto, é fundamental o papel do MPPE na fiscalização da manutenção dessa coordenação, e na composição do quadro por pessoas com conhecimento técnico. Também foi ressaltada a cobrança dos Planos de Contingências (de caráter mais emergencial) e a periodicidade da atualização, que devem conter diretrizes para evacuação de locais críticos; bem como, do Plano Municipal de Redução de Risco (de caráter de médio e longo prazo) para ações preventivas.

“Foi uma iniciativa muito importante do Caop Cidadania, de forma preventiva, provocar essa interação, haja vista o histórico de sofrimento nos períodos chuvosos todos os anos, principalmente na Região Metropolitana do Recife e nas Zonas da Mata Norte e Sul, das populações em áreas de risco. E, nesse período de calamidade pública, ainda devemos nos ater nas soluções de controle sanitário”, ressaltou a promotora de Justiça de Ipojuca, Bianca Stella Barroso, que lida com o desafio de população em área de risco próxima a barreiras. 

Para a promotora de Justiça de Olinda, Belize Câmara, “foi possível adquirir mais informações atualizadas, as atribuições de cada instituição e entes federativos, como saber detalhes a exemplo do oferecimento de cursos de capacitação aos municípios, inclusive aguardo a lista para saber se Olinda participou de algum”, explicou Belize Câmara, que lida com as situações de população residente em morros e próxima a encostas.

Já o atual promotor de Justiça de Sanharó, Jefson Romaniuc, participou da reunião porque, na região, teve o registro de cerca de 400% da precipitação em relação à média histórica. “Achei importante saber quais estratégias estaria sendo utilizadas, tanto preventivamente, com antecipação de alertas às populações de regiões de risco, como no manejo de famílias que tiverem que abandonar suas casas nesse período de pandemia”, ponderou Romaniuc.

No total, foram 23 acessos à videoconferência, realizada no dia 31 de março, na qual os promotores de Justiça ainda tiraram dúvidas sobre situações específicas das localidades de atuação, que foram dirimidas pelos representantes da Defesa Civil. Por fim, a Defesa Civil se colocou à disposição para analisar o conteúdo dos Planos de Contingência dos Municípios, dentro de suas limitações, e desde que isso seja uma análise complementar à do município.  

Os canais de comunicação com a Defesa Civil do Estado são: (81) 3181.2483 (Codecipe), (81) 3181.2490 (Plantão) e Emergência 199.

Imagem acessível: retângulo com fotografia de carros em uma rua vistos através de um vidro molhado, num dia chuvoso, tem sobrepostos os dizeres MPPE promove encontro de promotores e autoridades da Defesa Civil. Acima, tarja vermelha com Gestão de Riscos e Desastres. Acima, logomarca criada pelo MPPE para o assunto Coronavírus 

03/04/2020 - Em cumprimento à Nota Técnica elaborada pelo Centro de Apoio Operacional às Promotorias de Justiça de Defesa do Patrimônio Público (Caop Patrimônio Público), as Promotorias de Justiça de São João, Palmeirina, Itamaracá, Venturosa, Ibimirim, Brejão, Itapissuma, Jaboatão dos Guararapes, Pesqueira e Timbaúba expediram recomendações aos prefeitos das duas cidades com o intuito de cobrar que o poder público siga a legislação sempre que se fizer necessário o uso da dispensa de licitação como maneira de agilizar as compras públicas para responder à pandemia do Covid-19.

Os promotores de Justiça recomendaram aos chefes do Executivo utilizar o Sistema de Registro de Preços, quando cabível, inclusive com adesão a Atas de outros entes, conforme o art. 15, inciso II, da Lei Federal 8.666/93 , regulamentado, no âmbito estadual, pelo Decreto n° 42.530/15 .  

Em caso de impossibilidade de utilização do Sistema de Registro de Preços, é preciso justificar a contratação direta, dentro de todos os requisitos do processo administrativo correspondente e que se atente aos termos do art. 4º – E, § 1º, da Lei nº 13.979/2020.

Os prefeitos devem ainda apresentar projeto básico simplificado ou termo de referência simplificado deverá conter declaração do objeto; fundamentação simplificada da contratação; descrição resumida da solução apresentada; requisitos da contratação; critérios de medição e pagamento; estimativas dos preços obtidos por meio de, no mínimo, um dos seguintes parâmetros: Portal de Compras do Governo Federal; pesquisa publicada em mídia especializada; sítios eletrônicos especializados ou de domínio amplo; contratações similares de outros entes públicos; pesquisa realizada com os potenciais fornecedores e adequação orçamentária.

Caso haja sobrepreço em todas as propostas de contratação apresentadas decorrentes de oscilações ocasionadas pela variação dos preços durante a situação de calamidade pública, o administrador público precisa observar que é possível efetuar a contratação, desde que seja devidamente justificado.

Os administradores públicos precisam também adotar as medidas fiscalizatórias necessárias à garantia da correta execução contratual, dentre as quais a designação individualizada de gestores e/ou fiscais de contratos, além de promover a ampla publicidade dos procedimentos de dispensa e da execução dos correlatos contratos, disponibilizando em sítio oficial específico na internet, contendo, no que couber, além das informações previstas no § 3º do art. 8º da Lei nº 12.527, de 18 de novembro de 2011, o nome do contratado, o número de sua inscrição na Receita Federal do Brasil, o prazo contratual, o valor e o respectivo processo de contratação ou aquisição

E, mesmo em situação que caracterize a contratação direta, impõe-se à administração pública a instauração de prévio processo administrativo, com a justificativa da escolha do contratado, bem como a comprovação da economicidade do preço praticado.

Os promotores de Justiça ressaltam, por outro lado, que as irregularidades na dispensa de licitação, assim como ineficiência no planejamento, monitoramento e fiscalização dos contratos decorrentes possibilitam a apuração de responsabilidade e consequente enquadramento nas sanções previstas na Lei Federal nº 8.429/92.

As recomendações foram publicadas nas edições de 1º e 3 de abril do Diário Oficial do MPPE.

Imagem acessível: retângulo com fotografia de uma mão escrevendo em iPad tem sobrepostos os dizeres Alerta sobre licitações para o combate ao Covid-19. Acima, tarja vermelha com Responsabilidade administrativa. Acima, logomarca criada pelo MPPE para os assuntos de Coronavírus

03/04/2020 - Diante do cenário de pandemia do novo Coronavírus e da vulnerabilidade de crianças e adolescentes em casas de acolhimento, em decorrência da quantidade e da fragilidade da saúde, o Ministério Público de Pernambuco (MPPE), por meio da Promotoria de Justiça do Cabo de Santo Agostinho, recomendou às casas Recanto da Criança e Recanto do Adolescente que adotassem todas as providências necessárias para contenção da Covid-19.

Dentre as medidas citadas na Recomendação, emitida pela promotora de Justiça Manoela Poliana Eleutério de Souza, estão a restrição das visitas dos familiares das crianças e adolescentes apenas em situações emergenciais justificadas ou com respaldo médico. Caso tenha estado em locais de transmissão da Covid-19 nos últimos 14 dias, mesmo sem sintomas gripais, o visitante será impedido de entrar nos locais.

As instituições deverão manter os familiares das crianças e adolescentes informados diariamente, através de telefonemas e outros meios possíveis, das condições de saúde e condições gerais deles. Nos locais, também deverá ser disponibilizado um lavatório exclusivo para o visitante realizar a higienização das mãos, antes de sua entrada.

As crianças e/ou adolescentes que apresentarem quaisquer sintomas da Covid-19 deverão ser retirados do convívio comunitário e os casos imediatamente comunicados à Secretaria de Saúde do Cabo de Santo Agostinho. Durante o período de controle, caso seja necessário acolhimento de novas crianças ou adolescentes, deverão ser tomadas as medidas recomendadas, inclusive separação dos demais durante um período de quarentena, até que seja constatado que o novo acolhido está com saúde e não põe em risco os demais. 

Os empregados, estagiários e colaboradores que tenham retornado de viagem de locais enquadrados na terceira fase epidemiológica e que apresentem sintomas de dor no corpo, febre, coriza, tosse e/ ou dificuldade respiratória, deverão procurar imediatamente o setor de saúde do Estado, para as devidas providências e classificação do caso.

Todos os servidores, crianças e adolescentes acolhidos deverão receber a vacinação da H1N1, cuja campanha nacional iniciou no último dia 23/03/2020. As instituições também deverão adotar todas as medidas previstas na Declaração da OMS de Emergência em Saúde Pública, de importância internacional, no Plano Nacional de Contingência para Infecção Humana pelo Coronavírus 2019 (Covid–19), bem como nos planos de contingência estadual e municipal.

Além da distribuição dos materiais de higiene imprescindíveis à contenção da doença, deverá ser exigida a limpeza sistemática das mãos; adoção de medidas para higienização de louças, roupas; e cuidados com a limpeza de maçanetas, portas e áreas de usos comum das crianças e adolescentes, sempre com materiais de limpeza adequados.

Por fim, deverão ser divulgadas à exaustão as campanhas de prevenção do Ministério da Saúde e da Secretaria de Saúde do Estado de Pernambuco, prestando orientações aos acolhidos sobre o acesso aos serviços e às unidades do SUS, bem como notadamente sobre a necessidade da prevenção.

Imagem acessível: retângulo com fundo azul tem ilustrações de desenho infantil de uma casa com uma árvore ao lado e um homem do outro, com pássaros sobrevoando e sol brilhando. Acima, tarja vermelha com Cabo de Santo Agostinho. Acima, logomarca criada pelo MPPE para os assuntos de Coronavírus

03/04/2020 - O Ministério Público de Pernambuco (MPPE), por meio da Promotoria de Justiça de Lagoa de Itaenga, recomendou à Prefeitura, à Secretaria de Saúde e ao Serviço de Vigilância Sanitária e Epidemiológica do município que adotassem os protocolos oficiais oriundos do Ministério da Saúde e da Secretaria Estadual da Saúde para o enfrentamento da pandemia do novo Coronavírus.

A Prefeitura deverá dar publicidade às medidas e adotar os protocolos necessários, sobretudo quanto à necessidade de notificação prévia à pessoa afetada sobre compulsoriedade das medidas impostas nos protocolos oficiais, incluindo utilizar o poder administrativo de polícia para dar cumprimento às medidas sanitárias e epidemiológicas. Além disso, o município deverá intensificar, por todos os meios possíveis, as campanhas de conscientização da população, no intuito de evitar a disseminação do agente viral.

Já as Polícias Civil e Militar devem prestar o devido apoio às autoridades sanitárias do município para aplicação das medidas de saúde e, em caso de necessidade, procedam com a lavratura dos procedimentos policiais de flagrante delito, conforme o caso, incluindo comerciantes que aumentem arbitrariamente os preços.

As autoridades policiais também devem fiscalizar o cumprimento das medidas preventivas estipuladas pelo Decreto Estadual n. 48.832, de 19/03/2020, no que concerne a suspensão das atividades de shoppings centers e similares, restaurantes, lanchonetes, bares, salões de beleza, barbearias e afins.

Por fim, a Recomendação ainda se dirige aos proprietários, gerentes e responsáveis por estabelecimentos comerciais, sobretudo supermercados e farmácias, orientando para que abstenham-se de aumentar preços de quaisquer de suas mercadorias, sobretudo as de maior demanda no momento, como produtos de limpeza de qualquer natureza, sob pena de cometerem crime e sujeitarem-se às medidas administrativa, civil e penal.

Em caso de alta demanda, devem limitar a quantidade de produto por consumidor, visando que, tanto quanto possível, toda a população e consumidores tenham acesso aos produtos de higiene e saúde. Já aos proprietários de farmácias e congêneres, também foi recomendado que somem esforços às autoridades sanitárias locais no sentido de conscientizar a população sobre o uso correto dos medicamentos de venda irrestrita e produtos de higiene, orientando a população que os procurar.

O descumprimento do ato recomendatório implicará demonstração de dolo suficiente para caracterização do ato de improbidade administrativa e/ou infração penal e ensejar na adoção das medidas judiciais cabíveis à espécie.

Imagem acessível: retângulo com fundo azul com marca d'água de mapa mundi tem sobrepostos os dizeres Município deve cobrar a adoção dos protocolos de saúde. Acima, tarja vermelha com Lagoa de Itaenga. Acima, logomarca do MPPE para o assunto Coronavírus

DENÚNCIAS

Faça sua manifestação aqui

CONSULTAS às manifestações anteriores a 09/08/2019 devem ser realizadas através deste link. 
Para consulta às manifestações realizadas após esta data, usar o link indicado no momento do cadastramento.

 

Quanto mais qualificadas as informações fornecidas à Ouvidoria, mais fácil e eficaz será a atuação do Ministério Público de Pernambuco. Por essa razão, orientamos que as manifestações encaminhadas tenham clareza e objetividade quanto:

1. à completa identificação pessoal do autor da manifestação;
2. à descrição do fato;
3. ao local, data e forma como o fato ocorreu e
4. à identificação dos envolvidos.

A ouvidoria recebe manifestações das seguintes naturezas:

DENÚNCIAS contra outras instituições públicas ou privadas relativas a situações nas quais o Ministério Público tenha o dever de agir. Essas denúncias são encaminhadas às Promotorias de Justiça competentes para tratar a questão. A Ouvidoria ainda recebe RECLAMAÇÕES, CRÍTICAS, SUGESTÕES e ELOGIOS.






 

Através do Serviço de Informação ao Cidadão poderão ser solicitados os dados acerca da gestão de pessoal e financeira do MPPE que não estejam disponíveis no Portal da Transparência, assim como, referentes à atuação dos Promotores e Procuradores de Justiça. Por meio do SIC, os cidadãos e empresas também podem solicitar certidões relativas às atividades do MPPE.


Endereço: Rua Imperador Dom Pedro II, anexo III do MPPE, nº 447, Santo Antônio, Recife (PE)

Contatos para informações: (81) 3182 6776 ou Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Funcionamento: segunda à sexta-feira, das 12 às 18h

 

 
 
 

CENTROS DE APOIO

CAOPs

Os Centros de Apoio Operacional às Promotorias de Justiça (Caop) são órgãos auxiliares da atividade funcional do Ministério Público, instituídos com a finalidade de subsidiar os órgãos de execução, a exemplo dos promotores e procuradores de Justiça, por meio do estímulo à integração e ao intercâmbio entre esses órgãos que atuam na mesma área de atividade e/ou que tenham atribuições comuns. Outra finalidade é estabelecer o intercâmbio entre esses órgãos de execução com entidades ou órgãos públicos ou privados que atuem em áreas afins, para a obtenção de elementos técnicos especializados necessários ao desempenho das funções dos promotores e procuradores de Justiça, entre outros.

Atualmente, existem no MPPE nove Centros de Apoio Operacional. São eles: O Centro de Apoio Operacional às Promotorias de Combate à Sonegação Fiscal (Caop Sonegação Fiscal); assim como os Centros de Apoio Operacional às Promotorias de Justiça Criminais (Caop Criminal), de Defesa da Cidadania (Caop Cidadania); do Consumidor (Caop Consumidor); da Infância e Juventude (Caop Infância e Juventude); do Meio Ambiente (Caop Meio Ambiente); do Patrimônio Público e Terceiro Setor (Caop Patrimônio Público); da Saúde (Caop Saúde) e da Educação (Caop Educação).

 

 

Caop Saúde

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
 
 

HOTSITES e BLOGS

Saiba onde encontrar os Centros de Apoio

ÚLTIMAS NOTÍCIAS


Veja todas as Notícias
Diário Oficial
Diário Oficial
Diário Oficial
Consulta de Licitações
publicidade consulta licitação
Consulta de Licitações
Consulta Processual
publicidade consulta processual
Consulta Processual
Publicidade Ouvidoria2
Publicidade Ouvidoria2
Publicidade Transparência SIC
Publicidade Transparência SIC
Sistema SIM
Sistema SIM

 

Ministério Público de Pernambuco
Ministério Público de Pernambuco